terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Cordão umbilical

Não consigo parar de escrever
enquanto a ferida do umbigo
não parar de arder.

O cordão umbilical
é a mão que digita.
que me liga à minha mãe:
a escrita.

Por mais que eu me repita
é só a poesia
quem fica.


(Mariana Valle)

quinta-feira, 7 de março de 2013

SIMBIOSE


Você entrou como osmose
dentro de mim.
Agora quer que eu
goze e fim?
Impossível ser assim.
De você, só overdose
e nem adianta Engov,
porque depois do "love"
a sua ausência chove
e a ressaca explode
no meu corpo louco
sem você,
"without your body".

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

domingo, 13 de janeiro de 2013

A poesia está no dia-a-dia

A poesia está no dia-a-dia
mas muita gente não lê,
por isso a gente escreve:
para os cegos poderem ver.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Quebra-cabeça

O novo ano começa
com uma peça fora do lugar
e eu não tenho como fechar
o buraco que se abriu.
Algum tijolo se partiu
quando eu não estava vendo
e agora a casa caiu, doendo.
Não posso fazer nada,
só a falta me faz companhia
e nesse jogo não tem alegria.
Às vezes a gente perde,
noutras se ganha
e a sensação é estranha,
a de impotência.
É preciso ter paciência,
resignação e resiliência.
O novo ano começa
com uma peça fora do lugar
e eu quebro a cabeça,
mas não consigo ganhar.